Vidas Diferentes | Capítulo 16 - Moments

quinta-feira, junho 19, 2014 | | |

 Ouvi um barulho de correntes sendo arrastadas pelo chão. Eu ia gritar, mas a pessoa/monstro tapou a minha boca, me colocou junto ao seu corpo e foi me arrastando por um outro corredor até o barulho de correntes ficar distante.

 Pisei forte no pé da pessoa ou monstro, sei lá o que era. Ela me soltou. Estava me afastando lentamente de costas, até que ouço um grunhido.

xX: Ai, essa eu merecia - parecia com um pouco de dor. Me reaproximei devagar.
Eu: Harry? - perguntei receosa.
Harry: Sim, o seu salvador que você agradece com um pisão no pé. Você acertou em cheio o meu dedinho - sua silhueta estava curvada, provavelmente ele estava massageando o pé por cima do sapato.
Eu: Eu pensei que era um monstro me sequestrando! - senti ele se endireitando.
Harry: Seus olhos ainda não acostumaram ao escuro, não?
Eu: Não muito. Mas do que isso adianta? Eu tenho olhos nas costas.
Harry: Ok, ponto para você.
Eu: E você me salvou de quê?
Harry: Lá trás era um monstro deformado cheio de correntes. Ele sim poderia te sequestrar.
Eu: Cadê os outros?
Harry: Percebemos que você tinha se perdido e eu vim te procurar. Mentira, eu me perdi e vi o seu vulto quase entrando na parede de tão encolhida de medo que está - com certeza ele deve estar rindo.


Eu: Besta - revirei os olhos. - Vamos antes que outro monstro apareça.

 Demos as mãos para não nos perdemos um do outro e fomos caminhando devagar. Vimos uma claridade ao fundo. Nos aproximamos, era uma sala de azulejo branco bem iluminada. Nas paredes haviam facas de vários tipos de tamanhos (obs: uma era mais ou menos do tamanho do meu braço) e manchas de sangue espalhadas. Estremeci. Harry entrou na sala. E tinha uma mesa com um pano por cima.

Eu: Harry, você é maluco? - sussurrei como se a qualquer instante poderia surgir alguém. O que no caso, poderia.
Harry: Uma sala cheia de sangue dá medo? - se virou para mim.

 Alguma coisa debaixo da mesa se mexia, movimentando o pano. De lá saiu um monstro com uma parte da carne do rosto para fora, ele estava vestido de açougueiro e empunhava uma faca enorme, coberta por sangue.

Eu: Ha-harry - apontei trêmula. Ele se virou e deu dois passos para trás.
Harry: Oh! - se abaixou quando o cara avançou para cima dele.
Monstro: Hoje teremos carne nova no açougue - veio em minha direção ameaçador.

 Harry se levantou, me colocou apressado "pendurada" em seu ombro e saiu correndo. Só ouvimos a risada maligna do açougueiro se distanciando.

Eu: Harry, me solta! - me debati. Ele me colocou no chão.
Harry: Assim você vai chamar a atenção de mais monstros! - disse ofegante.
Eu: Jura? Estamos numa casa CHEIA deles - disse  sarcástica.
Harry: Você é muito chata - mostrou a língua.
Eu: Então não fale o óbvio, baby - sorri sem mostrar os lábios.
xX: O casal está sozinho? - uma voz risonha, mas amedrontadora, falou atrás de nós. Meu coração gelou, e em seguida veio o pior... O barulho de uma serra elétrica.
Harry: Ai caralho! CORRE!

 Começamos a correr descontroladamente, com o monstro nos seguindo. Vi um corredor ao meu lado e eu puxei o Harry depressa. Continuamos correndo, trombamos com um grupo, todo mundo foi para o chão.

xX: Eita, isso tudo é desespero? - era a voz de Zayn.
Eu: Zayn? Gente? - me levantei rapidamente. - Correm! - eles se levantaram.
Zayn: O que foi? - alguém segurou no meu braço, pelo perfume, era o Louis.
Harry: O Jason está vindo atrás da gente!

 Foi ele terminar de falar que o barulho da serra e o monstro surgiram pelo corredor. Eu e Sam demos um grito e os meninos soltaram uma exclamação e então saímos todos correndo. Jason dava risada e mais corda na serra.

 Um pouco mais para frente, passamos por uma grade e nela uma noiva de vestido branco rodado e avental rasgados e cheios de sangue batia com um ferro na mesma. Eu e Sam gritamos mais ainda. Corremos até acharmos uma porta grande. Um monstro de capuz e cajado abriu a mesma, antes de sairmos ouvimos o Jason dizer "Vejo vocês na próxima" seguida de uma gargalhada maligna.

Sam: "Vejo vocês na próxima"? Acredite, não vai ter - colocou as mãos no joelho, tomando fôlego. Eu fiz o mesmo.
Eu: Eu que o diga.
Louis: Cara, vocês tiveram a sorte de achar o Jason?
Eu: Sorte nada! - retruquei, apesar de saber da ironia.
Harry: E antes dele, vimos o açougueiro.
Eu: Que quase te pegou - ri e o empurrei de leve.
Liam: E nós entramos num quarto. Parecia tudo normal, ai o tonto do Zayn inventa de deitar na cama - ele e Louis começaram a rir.
Louis: E uma mulher do nada levanta da cama.
Zayn: Levei mó susto!
Liam: Percebemos pela sua cara!
Zayn: Retardados! Queria só ver se fossem vocês! - Louis e Liam davam mais risadas.
Sam: E Deus que me livre! Ela parecia aquela menina do exorcista, só que loira.
Harry: Vamos fazer o que agora? Já vai dar meia noite e o parque vai fechar - disse olhando para o relógio.
Eu: Podemos ir comer?
Zayn: Bora! - eles foram na frente, enquanto eu e Louis fomos um pouco atrás.
Louis: Vai conseguir dormir a noite? - riu.
Eu: Não... - ele riu mais ainda.
Louis: Pensei que você ia se fazer de durona e falar "eu não tenho medo" - ele engrossou a voz no final da frase. Eu ri.
Eu: Vou conseguir dormir sim, mas por precaução, vou ir para casa da Sam. Se eu contar, Adam com certeza vai fazer alguma brincadeira - rimos.

[...]

 Assim que terminamos de comer, fomos embora. Louis foi fofo mais uma vez e me levou para casa, onde eu peguei duas trocas de roupas e depois ele levou eu e Sam para a casa dela.

Eu: Tchau - disse abraçando Louis e depois lhe beijando. Ele estava encostado no carro e Sam havia entrado.
Louis: Cuidado com os monstros - apertou de leve minha cintura, me afastei um pouco com a mão no lugar.
Eu: Ai, você gosta de fazer isso, né? - ele riu.
Louis: Isso te irrita?
Eu: Tenho cocegas, e sim, isso irrita às vezes.
Louis: Então vou continuar fazendo - serrei os olhos para ele.
Eu: Você é muito chato! - falei apontando.
Louis: Você é mais - riu.
Eu: Nããão... Você consegue ser mais - ele me puxou para um beijo.
Louis: Bravinha - disse quando paramos. Dei um sorriso de canto.
Eu: Boa noite, chato - lhe dei um selinho e fui para entrar na casa da Sam.
Louis: Boa noite, bravinha - ele piscou e entrou em seu carro.

 Antes de virar a esquina, ele deu uma longa buzinada. Ri para mim mesma e entrei. Esses Louis é muito doido.

Sam: Deixa eu adivinhar quem é o maluco que estava apertando a buzina a mais de meia noite - ela veio da cozinha com um pote de danone e se sentou no sofá. Ela já estava de pijama.
Eu: Eu não sei de nada - rimos. Ela levantou o potinho, me oferecendo. - Não, primeiro vou ir trocar de roupa.
Sam: Vai lá, a casa é sua e você já sabe onde é o quarto - ri e subi para o quarto dela e coloquei o pijama.
Eu: Sam, onde estão seus pais? - eu amarrava o cabelo num rabo de cavalo, enquanto descia as escadas.
Sam: Saíram para jantar. Gostei do pijama.
Eu: Ai, amiga, obrigada. Também gostei do seu - disse com uma voz fina, e dei uma "voltinha". Rimos. Na verdade nós os tínhamos comprado juntas na semana retrasada.
Sam: Quer alguma coisa para comer?
Eu: Não, eu tô bem.
Sam: Tem sorveteeeee - cantarolou com uma voz provocativa. Rimos e corremos para cozinha.

 Atacamos o pote de sorvete. Não comemos tudo, mas boa parte hehe'. Depois fomos para o quarto. A cama de Sam é bem espaçosa, como as de lá de casa. Levantamos a cocha e nos deitamos pulando. Suspiramos juntas.

Eu: Nada como deitar numa cama gostosa e quentinha.
Sam: No frio, nem dá vontade de sair - rimos.
Eu: Sam? - disse depois de um tempo, ela me olhou. - Você ficou mesmo com medo da casa do terror?
Sam: Com medo muito mais do Jason - riu. Ri de canto.
Eu: Também. Foi muito louco quando ele chegou por trás de mim e do Harry.
Sam: Não vamos nos preocupar, ele não vai aparecer aqui - disse convicta.

 Ouvimos um barulho de algo pulando na escada, depois um barulho no corredor. Nós duas congelamos, olhamos desesperadas para a porta. Cath, a gata de Sam, entrou pela fresta da mesma brincando com sua bolinha que fazia barulho quando rolada pelo chão. Nos entreolhamos e começamos a rir. Somos duas tontas mesmo rsrs


~Um mês depois~

Eu: Volta aqui, Tomlinson! - gritei e fui trás de Louis, que saiu correndo para a sala.
Adam: Ahh, é desse jeito que eu estou acostumado a vê-los - disse sentado no sofá, enquanto nos via correr pela sala. Peguei uma almofada e ataquei nele.
Eu: E você não ri não - apontei para Louis, que ria. - Me devolve meu urso! - avancei, mas ele desviou.
Louis: Não! Vou pegar ele para mim - colocou o urso atrás das costas.
Eu: Não! - bati o pé manhosa e impaciente. - Minha mãe me deu de aniversário de 9 anos, me devolve!
Louis: Ai, está vendo? Você já passou anos com ele, agora vai ser meu. Olha como ele é fofo - fez um biquinho e mostrou o urso.
Eu: Eu vou te pegar - serrei os olhos e corri atrás dele. O persegui pela sala. Louis foi para o quarto, corri atrás e fechei a porta. - Não tem mais escapatória.
Louis: Ah, não? - sorriu maroto. - Que tal se eu me jogar daqui? - ele correu para janela.
Eu: NÃO!! - fui até ele. - Não faz isso - o segurei.
Louis: Ah... Ela se preocupa comigo - riu. - Eu sei que você me quer - disse convicto.
Eu: Sim - o selei. - Mas antes... Me dá isso - peguei o ursinho de suas mãos e me afastei, abraçando o mesmo.
Louis: Assim não vale - disse fazendo um biquinho e eu ri.

 Pois é, já há um mês ao lado desse menino! Estamos nos dando muito bem. Louis é carinhoso, romântico e... Continua com algumas brincadeirinhas. Eu dou risada, mas sei que ele faz isso para me deixar "bravinha", como ele diz.

 Eu descobri que gosto de Louis, e que realmente eu possa estar me apaixonando por ele. Se já não estou apaixonada, né?

 Deitei na minha cama, pensando...

~Flash Back On~

 Estamos fazendo duas semanas de namoro. Louis me levou para dar uma volta na London Eye, que onde eu e ele conversamos "civilizadamente" pela primeira vez. Agora era final de tarde e nós estávamos no jardim da casa dele.

Eu: Sabe, tem sido uma ótima semana para mim.
Louis: Para mim também. Passar um tempo com quem você gosta, é uma das melhores sensações - sorriu. Me aproximei e o beijei.

 Os beijos de Louis eram muito bons. Ele me transmitia tudo o que estava sentindo e o que queria. Era carinho, amor, paixão, desejo, até se ele estivesse triste eu acho que perceberia. E eu fazia o mesmo, e adorava isso.

 Nos separamos, mas eu continuei de olhos fechados.

Eu: Por que você nunca me mostrou essa sensação antes? - sorri ao dizer. Abri os olhos devagar. Louis me olhava, depois soltou um suspiro e se virou para frente.
Louis: Tem coisas que nos levam a nunca mais querer que nos apaixonemos ou, se nos apaixonamos, dificulta a nos expressar do jeito que queremos - olhava para o chão.
Eu: Você já me falou isso, me conta o que aconteceu agora. Bom... Se você quiser... - ele me olhou e sorriu de canto.


Louis: Quando eu tinha 13 anos, eu me apaixonei por uma menina. Sabia que era cedo para se dizer isso, mas mesmo assim dizia. Ela era da minha sala e... Era aquele tipo de meninas que todos os meninos querem - revirei os olhos e assenti. - Um dia eu me declarei, fiz de tudo para ela me notar e essas coisas de apaixonado. Ela me fez correr atrás dela, fazendo com que eu tivesse esperanças de nós dois namorarmos... Até que um dia ela apareceu com um namorado, ele era dois anos mais velho que a gente, e ela me disse que nunca gostou de mim, que deixava eu fazer aquelas coisas porque tinha pena de mim. Eu não sei o porque da pena, mas ela brincou comigo e isso me deixou arrasado.
Eu: Porque ela se importa só com ela mesma. Pode ter certeza que quem perdeu foi ela, e não você - dei um beijo em seus pescoço e o senti se arrepiar.
Louis: E duas semanas depois, o garoto deu um pé na bunda dela na frente de toda a escola, dizendo que ela era muito grudenta e insuportável - disse rindo.
Eu: Está vendo? O feitiço virou contra o feiticeiro. Esse coração não merece ser magoado - apontei para o peito dele.
Louis: Não se preocupe que eu já achei a cura - segurou a minha mão e me puxou para um beijo. Ficamos um bom tempo assim. Só no love haha'. - Tenho que te contar uma coisa.
Eu: Fala - passei a mão pelos seus cabelos.
Louis: Quando eu percebi que estava apaixonado por você, achei que poderia acontecer a mesma coisa, devido a "relação" que tínhamos.
Eu: Ah, claro. Eu te jogaria da sacada da cobertura, como quase fiz há duas semanas - ele riu.
Louis: Enfim... Então tudo o que me fazia lembrar de você, eu guardava como lembrança. Sabe o bolo que você esfregou na minha cara? - eu assenti. - Pois é, eu guardei aquele bolo - disse rápido. Parei de fazer carinho nele e o olhei.
Eu: Louis! Você é doido? Como assim? Você guardou o saquinho de chá que um dia eu já ataquei em você? - perguntei irônica. Ele assentiu sério, o olhei incrédula. Depois ele tentou segurar, mas acabou dando uma risada.
Louis: É brincadeira - riu. - Eu posso ser idiota, mas não a esse ponto.
Eu: Ahh, eu acho que você é um ponto muito maior - ri. Ele me olhou com os olhos serrados e começou a fazer cocegas em mim. - Para! - falei rindo.
Louis: Não. Pede "arrego".
Eu: Não!
Louis: Você quem pediu - fez mais cocegas.

 Acho que eu iria mijar de tanto rir ou morre por falta de ar. Até que ele me deu uma trégua. Me endireitei, tomando fôlego. Dei um tapa no braço dele e começamos a rir.

~Flash Back Off~

Louis: Está pensando no que, amor? - se deitou ao meu lado.
Eu: Na vida - disso com um suspiro.
Louis: Posso te mostrar uma coisa? - eu assenti. - Então temos que ir lá para minha casa.

 Nos levantamos. Eu coloquei uma roupa de frio, pois o ar lá fora estava meio gelado. E a noite parecia que não iria ser diferente. Depois fomos para a casa dele.

 Não tinha ninguém, todos tinham ido a um parque, passear, essas coisas. Subimos para o quarto de Louis. Ele pegou na minha mão e me fez sentar na casa. Pegou um banquinho, o colocou na minha frente, pegou o violão e se sentou.

Eu: Você vai cantar para mim? - sorri. Eu já tinha visto esse violão antes aqui, mas eu tinha vergonha de perguntar.
Louis: Vou. Essa música eu escrevi para você. Faz um bom tempo, mas só agora tomei coragem pra cantar - rimos.

 Ficamos em silêncio, e ele começou com os primeiros acordes. Ele estava tão lindo e fofo, que não resisti e tirei uma foto.


Moments/Momentos


Shut the door, turn the light off
I wanna be with you. I wanna feel your love
I wanna lay beside you
I cannot hide this even though I try
(Feche a porta, apague a luz
Eu quero estar com você. Eu quero sentir o seu amor
Eu quero estar do seu lado
Eu não posso esconder isso mesmo que eu tente)

Heart beats harder. Time escapes me
Trembling hands touch skin. It makes this harder
And the tears stream down my face
(Coração bate mais forte. O tempo foge de mim
Mãos trêmulas tocam a pele. Isto se torna difícil
E as lágrimas escorrem pelo meu rosto)

If we could only have this life
For one more day
If we could only turn back time
(Se nós apenas pudéssemos ter essa vida
Por mais um dia.
Se nós apenas pudéssemos voltar no tempo)

You know I'll be. Your life, your voice
Your reason to be my love
My heart is breathing for this
Moments in time. I'll find the words to say
Before you leave me today
(Você sabe que eu serei. Sua vida, sua voz
Sua razão para ser meu amor
Meu coração está respirando por isso
Momentos no tempo. Eu acharei as palavras pra dizer
Antes que você me deixe hoje)

Close the door. Throw the key
Don't wanna be reminded. Don't wanna be seen
Don't wanna be without you
My judgement is clouded. Like tonight's sky
(Feche a porta,. Jogue a chave fora.
Não quero ser lembrado. Não quero ser visto.
Não quero ficar sem você.
Minha opinião está nublada. Como o céu de hoje à noite)

Hands are silent. Voice is numb
Try to scream out my lungs
It makes this harder
And the tears stream down my face
(Mãos silenciosas. A voz é entorpecida
Tento gritar fora os meus pulmões
Mas isso torna as coisas mais difíceis
E as lágrimas escorrem pelo meu rosto)

(Refrão)

Flashes left in my mind. Going back to the time
Playing games in the street
Kicking balls with my feet. Dancing on with my toes
Standing close to the edge
There's a pile of my clothes. At the end of your bed
As I feel myself fall
Make a joke of it all
(Flashes deixados em minha mente. Voltando no tempo
Jogando jogos na rua
Chutando bolas com meus pés. Dançando com meus dedos
Ficando em pé perto da porta
Tem uma parte das minhas roupas. No fim da sua cama
Conforme eu sinto eu mesmo caindo
Faça uma piada de tudo isso)

You know I'll be. Your life, your voice
Your reason to be my love
My heart is breathing for this. Moment in time
I'll find the words to say
Before you leave me today. (2x)
(Você sabe que eu serei. Sua vida, sua voz
Sua razão para ser meu amor
Meu coração está respirando por isso. Momentos no tempo
Eu acharei as palavras pra dizer
Antes que você me deixe hoje.)

 Me emocionei. Ele colocou o violão de lado e eu pulei em seu colo, o beijando.

Eu: Você é perfeito - lhe vário selinhos. Peguei meu celular e lhe mostrei a foto que eu tirei. Postei no instagram. Com a legenda: "A coisa mais linda que eu já ouvi e vi. Você é perfeito s2' "
Louis: Você que é perfeita.
Eu: Não diga mentiras, Tomlinson.
Louis: Minha mãe me ensinou a nunca mentir - sorri com o comentário.


 Esses eram nossos Momentos. Começamos um beijo beeeeeeem caloroso, se é que me entendem.

CONTINUA...


:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Hellooooouis girls!!!
Moments, OMG! Como eu amo essa música!!! <3
Mais um capítulo fofo *-*
Até o próximo.
Bjão

3 comentários:

  1. CONTINUA!!!! Eu simplesmente, AMEI esse capítulo, o melhor de toda a fic até agora. *w*
    Já disse que te amo?? :3 Continua!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awnn' obrigada pelo carinho, liamda, amo as minhas leitoras <3

      Excluir